Logo
Eventos 16 de dezembro de 2021
16º Fest Aruanda consagra curta cearense e reitera genialidade do veterano Júlio Bressane
thumb

Os vencedores do 16º Fest Aruanda foram anunciados na madrugada desta quinta-feira (16). O filme “Capitu e o Capítulo”, de Júlio Bressane foi consagrado como o melhor longa-metragem, tendo também levado o prêmio de melhor direção, figurino e ator coadjuvante. Já “Sideral”, de Carlos Segundo, venceu na categoria de melhor curta-metragem e levou os troféus de melhor roteiro, melhor ator e melhor desenho de som. A premiação aconteceu na Sala 9 do Cinépolis, no Manaíra Shopping, em João Pessoa.

Momento especial- Um dos homenageados, Othon Bastos, em seu discurso, ressaltou a importância do festival. “Quero agradecer imensamente o convite, o carinho do paraibano, o amor pelo cinema, pela arte. O povo merece a arte. A arte está com a gente”, disse. Ele homenageou, ainda, recitando poemas do cordelista João Paraibano e Augusto dos Anjos.”A palavra é do tempo, o silêncio é para a eternidade”.

O cineasta Júlio Bressane foi convidado a entregou o troféu ao ator Othon Bastos. “Uma coisa é ser amado, outra coisa é ser o amado”, falou Bressane.

Música e emoção- A noite de encerramento guardou mais surpresas para o público. A exibição do documentário “Ney, À Flor da Pele”, de Felipe Nepomuceno, foi ovacionada. A noite conseguiu ser mais especial ainda com a presença do cantor Ney Matogrosso, que também teve sua biografia – escrita pelo jornalista Júlio Maria – lançada na mesma noite.

Quando subiu ao palco, Ney Matogrosso falou sobre a alegria de estar pela segunda vez no festival e sobre o filme “Ney, À flor da pele”, de Felipe Nepomuceno. “Para mim é meio estranho me ver no documentário. Mas eu gosto que tenha músicas inteiras. Espero que vocês se divirtam e vamos tocar esse barco”, falou o cantor. A exibição começou com o curta “Aluísio, o silêncio e o mar”, de Luiz Carlos Vasconcelos, que agradeceu e desejou longa vida ao Fest Aruanda.

Jurados – O júri oficial da Mostra Competitiva de longas e curtas foi formado pela atriz e diretora de teatro, Sandra Corveloni; a montadora Cristina Amaral; e pelo cineasta Cesar Meneguetti. Já o júri da mostra Sob o Céu Nordestino foi composto pelo diretor executivo do Cine Ceará, Wolney Oliveira; pela atriz Ingrid Trigueiro; e pelo diretor, ator e roteirista Paulo Vieira. Roberto Cotta, professor e crítico; Carine Fiúza, diretora e fotógrafa; e o jornalista e crítico de cinema, André Dib, forma o júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine). O júri da Mostra Internacional União Europeia contou com o diretor executivo do Fest Aruanda, Lúcio Vilar; a atriz Raquel Ferreira; e o curador e professor João Lobo. O júri da Produção Universitária e Independente foi formado pelo produtor e curador Sérgio Silveira, o jornalista e produtor cultural Igor de Nóbrega e a produtora e realizadora cultural e audiovisual, Ana Célia Gomes.
 
Data marcada – O diretor executivo do festival, Lúcio Vilar, abriu a solenidade de encerramento e anunciou a data da próxima edição do Fest Aruanda: 8 a 14 de dezembro de 2022.

Em avaliação, ele acrescentou que foram sete dias de muitas emoções e sentimentos. “Foi uma semana intensa, garantimos o acesso on-line, democratizando o acesso aos filmes. Salve a adolescência do Fest Aruanda, aos seus 16 anos”, enfatizou. De 9 a 15 de dezembro, o 16º Fest Aruanda levou para o público mais de 70 filmes, além de oficinas, mesas de debate, sessões especiais, lançamentos de livros. Com esta edição, o festival reafirma o compromisso em levar adiante toda a rica produção do audiovisual brasileiro. A edição prestou homenagens a Othon Bastos, W. J. Solha, Cristina Amaral, José Siqueira e Ely Marques.

Patrocínios e parcerias – Esta edição do Fest Aruanda teve patrocínio master do Grupo Energisa, da Cagepa e copatrocínio da PBGás, via Lei de Incentivo à Cultura do Governo Federal, sob a chancela do CCHLA-UFPB e da Bolandeir@rte&Films, produtora do evento. A assessoria de imprensa local ficou por conta da Vivass Assessoria & Comunicação, e a nacional, feita pela agência Procultura. O Festival contou, ainda, com parceria da Empresa Paraibana de Comunicação (EPC).
 

Conheça os vencedores de cada categoria:

Produção Universitária

Melhor Videoclipe: Entranhado, de Nathalia Bellar e Fabi Veloso.

Melhor Curta (TCC): O outro lado do espelho, de Yanca Oliveira. 

Menção Honrosa: Videoclipe Calma, de Ismael Farias

Prêmio Especial para a minissérie “O sumiço de Santo Antônio”, de Cely Farias e Waleska Picado, realizada pela TV UFPB.

Prêmio Especial do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro: “Toada para José Siqueira”

Mostra Internacional União Europeia–

Melhor Roteiro: Ana Falcon, por Tomorrow Island

Melhor Fotografia: Michael Tebinka, por Tomorrow Island

Melhor Diretor: Jeronimo Sarmiento, por Wild Game

Melhor Filme: Wild Game, de Jeronimo Sarmiento

O Fest Aruanda também decidiu conceder um prêmio especial para a animação ‘Nós, os Lentos’, da Mostra Conexão Lusófona.

Mostra Sob o Céu Nordestino de curtas-metragens paraibanos

Melhor Roteiro– Tiago A. Neves, por Incúria

Melhor Desenho de Som – João Yor e Cácio Bezerra, por Noite no Sítio

Melhor Edição – Diego Pontes, por Tecendo Histórias

Melhor Trilha Sonora – Amaro Mann, por Tecendo Histórias

Melhor Direção de Arte – Erick Marinho, por Incúria

Melhor Figurino – Nai Gomes, por Adarrum

Melhor Fotografia – Leonardo Gonçalves, por Terra Vermelha

Melhor Ator – Geyson Luiz, por Boyzin

Melhor Atriz – Ana Marinho, por O que os machos querem

Melhor Direção – Tiago A. Neves, por Incúria

Troféu Rodrigo Rocha/Cagepa de Melhor Curta Paraibano – O que os machos querem, de Anna Diniz

Menção honrosa – “Flor no Quintal”, de Mercicleide Ramos

Melhor Curta Sob o Céu Nordestino segundo o júri popular – Noite no Sítio, de Lucas Machado

Mostra Sob o Céu Nordestino de longas-metragens

Melhor Roteiro – Caroline Oliveira, por Miami-Cuba

Melhor Desenho de Som – Érico Paiva, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Edição – Petrus Cariry e Firmino Holanda, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Trilha Sonora – João Victor Barroso, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Direção de Arte – Sérgio Silveira, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Figurino – Lana Patrícia Benigno, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Fotografia – Petrus Cariry, por A Praia do Fim do Mundo

Melhor Ator ou personagem masculino – O júri optou por não conceder prêmio de melhor ator

Melhor Ator coadjuvante – Ruston Liberato, por Fendas

Melhor Atriz ou personagem feminino – Marcélia Cartaxo, por “A Praia do Fim do Mundo”

Melhor Atriz ou coadjuvante – Fátima Muniz, por “A Praia do Fim do Mundo”

Melhor Direção – Petrus Cariry, por “A Praia do Fim do Mundo’

Troféu Aruanda/Cagepa Melhor Longa Sob o Céu Nordestino – “A Praia do Fim do Mundo, de Petrus Cariry

Menção honrosa – “Transversais”, de Émerson Maranhão

Melhor longa Sob o Céu Nordestino segundo o júri popular – Miami-Cuba, de Caroline Oliveira

Prêmio de crítica (Abraccine)

Melhor Curta-metragem da Mostra Nacional segundo o júri Abraccine: “O Pato”, de Antônio Galdino

Melhor Longa-metragem da Mostra Nacional segundo o júri Abraccine: “Capitu e o Capítulo”, de Júlio Bressane.

Troféus da Mostra Nacional Fest Aruanda

Curtas-metragens:

Melhor Roteiro – Carlos Segundo, por “Sideral”

Melhor Desenho de Som – Miguel Sampaio, por “Sideral”

Melhor Montagem – Ely Marques por Animais na pista e o Pato

Melhor Trilha Sonora – por Eli-Eri Moura, por “Animais na Pista”

Melhor Direção de Arte – Thiago Trapo, por “Animais na Pista”

Melhor Figurino/Cenografia – Tamyres Dysa, por “O Pato”

Melhor Fotografia – Rodolpho de Barros, por “Animais na Pista”

Melhor Ator – Enio Cavalcanti, por “Sideral”

Melhor Atriz – Norma Góes, por “O Pato”

Melhor Direção – Antônio Galdino, por “O Pato”

Melhor Curta-Metragem: “Sideral”, de Carlos Segundo 

Menção Honrosa – “Foi um tempo de poesia”, de Petrus Cariry

Melhor curta-metragem nacional segundo o júri popular – “Foi um tempo de poesia”, de Petrus Cariry

Longas-metragens

Melhor Roteiro – Thais Fujinaga, por “A Felicidade das Coisas”

Melhor Desenho de Som – Confraria de sons e charutos por “Bob Cuspe – Nós não gostamos de gente”

Melhor Montagem – Lia Kulakauskas, por “Madalena” 

Melhor Trilha Sonora- Junior Marcheti, por “Madalena” 

Melhor Direção de Arte – Daniel Bruson, por “Bob Cuspe – Nós não gostamos de gente”

Melhor Figurino – Maria Aparecida Gavaldão, por “Capitu e o Capítulo”

Melhor Fotografia – Guilherme Tostes, Tiago Rios , por “Madalena” 

Melhor Ator –  Maicon Rodrigues, por “Salamandra”

Melhor Ator coadjuvante –Enrique Diaz, por “Capitu e o Capítulo”

Melhor Atriz – Patrícia Saravy, por “A felicidade das Coisas”

Melhor Atriz coadjuvante – Magali Biff, por “A Felicidade das Coisas”

Melhor Direção – Júlio Bressane, por Capitu e o Capítulo

Melhor Longa-Metragem- “Capitu e o Capítulo”, de Júlio Bressane

Menção Honrosa: Argumento do filme “Madalena, de Madiano Marcheti, escrito por Madiano Marcheti, Thiago Gallego, Thiago Ortman, Tiago Coelho.

Menção Honrosa – pela qualidade de atuação do elenco do filme “Madalena”: Natália Mazarim, Rafael de Bona, Pamella Yule, Chloe Milan, Mariane Cáceres, Nádja Mitidiero, Joana Castro, Edilton Ramos, Maria Leite, Antonio Salvador, Lucas Miralles.

Melhor longa-metragem nacional segundo o júri popular: “Salamandra”, de Alex Carvalho

*ass com fa