Logo
Compartilhar:

Elba e Juliette cantando Olha Pro Céu foi pura emoção e afirmação de um Brasil do bem

24 de junho de 2021
Foto: Div

por Silvio Osias

Na rua da minha infância, a Conceição, em Jaguaribe, tinha as três festas juninas.

Santo Antônio era na casa de Dona Júlia.

São João, na casa de Dona Ivete.

São Pedro, na casa de Seu Rosendo.

Havia mastros com as bandeiras dos santos e enormes fogueiras.

“A fogueira está queimando em homenagem a São João”, na voz de Luiz Gonzaga, tocava no volume máximo da “radiola” de Dona Ivete.

Mas a maior lembrança musical que tenho daquela época é a marchinha Olha pro Céu, também com Luiz Gonzaga.

Ela tem um lugar especial na minha memória afetiva.

Raramente consigo ouvi-la sem me emocionar.

Nesta quarta-feira (23), véspera de São João, foi na live de Elba Ramalho.

Primeiro, o show de Elba. É impecável. Ela sabe tudo do espaço cênico em que pisa e onde solta sua voz.

Olha pro Céu entrou perto do final. Dueto de Elba e Juliette, sua convidada.

Não vi ao vivo. Só vi na manhã desta quinta-feira (24), dia de São João.

Entendi que elas cantaram a marchinha na virada da véspera para o dia do santo junino que mais festejamos.

Foi lindo. Pura emoção.

Afirmação vigorosa das nossas raízes, das nossas fontes musicais tão influentes para os que vieram depois. Como a própria Elba.

Vi/ouvi quieto Elba e Juliette cantando juntas Olha pro Céu.

Meus olhos ficaram úmidos. Cada vez mais úmidos.

Depois, as lágrimas desceram pelo meu rosto de canceriano do mês de junho.

Lágrimas em profusão de um choro silencioso.

Há muitos significados contidos ali.

Há a força dessa nossa tradição de festas juninas, profanas e religiosas ao mesmo tempo.

Há a riqueza do nosso genuíno cancioneiro popular, consolidado a partir desse fenômeno extraordinário chamado Luiz Gonzaga, um preto pobre do interior de Pernambuco que colocou o Nordeste no mapa da música brasileira.

Há a nossa memória afetiva, até para um homem totalmente urbano como eu.

E há o Brasil do presente também.

Elba Ramalho, dizem que é bolsonarista. Não sei se é verdade. Se for, Bolsonaro passará, e Elba ficará com sua voz em nossos corações.

Juliette, a gente já sabe. É #forabolsonaro.

As duas juntas, cantando Olha pro Céu, representaram, para mim, o Brasil do bem.

Não esse Brasil do mal que está nos destruindo.

Mas um Brasil que precisamos reconstruir.

Viva São João!

*Silvio Osias escreve para o Jornal da Paraíba Online e é colunista da rede CBN João Pessoa

https://youtu.be/5H3ZBO-l0Fs