Logo
Eventos 12 de dezembro de 2021
JOSÉ MARIA – A Luz da imagem e do som no Brasil
thumb

Gil Sabino – gestor de marketing cultural da Agenda Viva

          O Fest Aruanda, movimenta a cidade trazendo sem dúvida as mais expressivas personalidades da cena nacional do cinema. Encontra-se na levada desse ano, o jornalista piauiense, radicado em São Paulo, José Maria, o homem do MIS – Museu da Imagem e do Som, de São Paulo.

José Maria tem palestra programada para quarta-feira, quando deverá falar sobre o que ele mais sabe, preservação, restauro, e conservação de obras audiovisuais. É ele responsável por grande parte, melhor dizendo, a maioria do que há no país, quando o assunto é acervo histórico de imagem e som.

Num bate papo gostoso de frente pro mar de Tambaú, José Maria nos deu o prazer de reviver imagens desde o início da televisão brasileira, contando fatos que viveu, e os artistas e autoridades com quem manteve relacionamento profissional e de amizade, desde aquela época, passando, inclusive, pelo período da ditadura militar, quando foi perseguido e teve que fugir várias vezes para escapar das ciladas militares.

 Com 50 anos de experiência em televisão, destes, mais de  na TV Cultura, Zé Maria, como é conhecido, é um dos pioneiros da formação da televisão brasileira. É um dos poucos homens que tem autoridade para contar fatos da intimidade de sua amizade, diga-se de passagem, com Silvio Santos, o fundador do SBT, que viu nascer.

Zé MARIA cuida da Preservação de acervos audiovisuais e sempre atento a importância da tecnologia na TV digital, foi Gerente do CEDOC da TV Cultura, atualmente dirige o MIS – Museu da Imagem e do Som – SP. É especialista em conservação e Restauração de obras audiovisuais, é jornalista formado, e sua trajetória ajudou a construir a televisão brasileira, tendo trabalhado na TV Tupi, na TV Excelsior e no SBT TV, Foi responsável pela Coleção de Filmes e Restauração na TV Cultura, além de gerenciar o arquivo de filmes do Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS). José Maria escreveu um livro intitulado “O Manual de Conservação e Restauração Cinematográfica”, lançado durante o 24º Festival Internacional de Curtas-Metragens, em São Paulo, em 2003. Sua paixão pela qualidade de imagem e som o levou a ser um dos pioneiros em restauração de filmes no Brasil e uma referência internacional neste tópico. Ministrou palestras, seminários e workshops sobre restauração de filmes, como a Conferência do Patrimônio Audiovisual, organizada pela UNESCO, no Rio de Janeiro, em 2010.

É com esse camarada que está conhecendo e visitando nossos museus, e participando do Fest Aruanda, que estamos tendo o prazer de dialogar e aprender muito. Que seja sempre bem vindo Zé Maria, nós agradecemos a sua valorosa presença. Por sua brilhante história, PARABÉNS!